abril 09, 2013

Dos (des)empregos


Em Março fiquei desempregada. Falo pouco nisso porque não me sinto nada preparada e continuo a sentir-me revoltada e injustiçada. São cenas da vida, logo passa, logo vem melhor  - pelo menos é nisto que eu quero acreditar.

Mas é difícil. Uma pessoa abre um jornal, liga a TV, vai à rua e só se fala numa coisa: na merda em que este nosso país está. E eu que até sou uma pessoa bastante optimista, também de o dizer a alto e bom som: ESTE PAÍS ESTÁ NUMA MERDA!

Conto pelos dedos de apenas uma das minhas mãos os amigos que tenho que estão empregado. E tomando amigos por amigos e conhecidos, posso dizer que as duas mãos não chega para os contar pelo que facilmente se deduz que isto anda mesmo complicado. Com cursos, sem cursos, com muita ou pouca vontade, com ou sem experiência, cá andamos nós a lutar e procurar e não desistir - e não é fácil.

Depois o mais engraçado é os anúncios que por ai se vêm:

'Procuramos engenheiro civil com menos de 35 anos e com 10 a 15 anos de experiência (factor eliminatório).' - uau 15 anos? Os 10 ainda vai que não vai agora 15? Quer dizer aos 20 anos estávamos licenciados?? E mesmo 10, e quem acabou agora ou curso não tem direito?

'Bom dia D. FME estamos aqui a ligar da empresa XPTO para marcar uma entrevista. As nossas condições é um contrato de estágio de 12 meses, 8h/dia com vencimento de um IAS' - um IAS são cerca de 419 EUR. Sem subsidio de alimentação ou transporte. Eu estive num call center e em 4h/dia fazia 336 EUR.

Ou querem quase o impossível ou mão-de-obra mais que barata! Quer dizer 8.000 EUR depois e 5 anos a queimar pestanas para ser explorada por ter um canudo!



  Pin It Now!

4 comentários:

  1. é verdade, sim... eu também sempre fui uma pessoa positiva, acho que ainda sou, mas é difícil não me deixar «engolir» por todas as notícias, estatísticas, conversas. se está tão difícil arranjar emprego, porque hei de eu conseguir?

    em todo o lado oiço que isto está «difícil». Difícil, difícil, difícil é a palavra de ordem. Eu nem tenho sonhos assim tão disparatados: queria arranjar um trabalho onde goste minimamente de estar, mesmo que não seja o de sonho, ganhar o suficiente para cobrir as despesas e permitir uma noite de cinema de vez em quando, e ter independência financeira total para pagar um casinha, que não tem de ser grande nem moderna, apenas uma simples casa que eu consiga pagar do meu bolso! E um dia mais tarde, casar, ter filhos, essa coisa toda. Mas neste momento, até os sonhos mais simples parecem disparatados... também é difícil sonhar, pelos vistos.

    Enfim, desculpa o desabafo... :)

    ResponderEliminar
  2. exigem cada vez, e não têm necessidade disso

    ResponderEliminar
  3. Nem é bom ler ou ouvir noticias! Isto não está famoso não mas a esperença é a última a morrer. Força*

    ResponderEliminar