março 14, 2015

Gente ignorante é outra coisa


Quando vi este post inicialmente comentei com "Com todo o respeito peloas animais, se isto é verdade, é muito chocante." e vêm-me uma vaca qualquer, e desculpem lá o termo, que eu até costumo ser uma pessoa tolerante e bem formada, mas só lhe posso chamar vaca e outras tantas como ela como esta Joaninha Pedrosos com a conversate do costume do "ah elas gostam, ah elas que se deixem de queixar, ah elas têm duas pernas que bazem dali, há que não sei quê" e o que me apeteceu responder foi "minhas grandes vacas, que eu vos encontrasse e que vos enchia eu de porrada". Quando vejo destas merdas só me dá vontade de andar á chapada. Eu não digo que não haja por aí muitas e muitos que fiquem em relações doentias porque no fundo o que querem, que isto não se pode generalizar, mas na maioria dos casos as pessoas não saem das relações, porque estão fragéis, desamparadas e não, não há quem as defenda, nem polícia, nem família, nem nada. Veja-se que este ano das 8 ou 9 (não consigo já precisar o número) vítmias mortais de violência doméstica em Portugal, em 2015, ocorreram todas após a vítima ter dado queixa do agressor às autoridade - isto vinha no Correio da Manhã de dia 12 senão me engano. E estas vacas vêm-me com estas conversas? 

Até lhes disse como pode ver, que até fico feliz pelas respostas delas, porque mostra que nunca sofreram com tal assunto. Eu sofro indirectamente de violência doméstica. Não é física é psicológica. A minha Mãe está divorciada do meu pai há mais de 7 anos, mas ainda hoje não pode ter um amigo, tomar um café com um colega sem ter o meu pai que nem cão farejador a seguir-lhe os passos. E mensagens no telemóvel de agressividade extrema, pneus furados, chantagem comigo e com o meu irmão mais novo. Mas alguém gosta disto? Já fomos às autoridades. Sabem o que responderam: "já nem pertence ao seu agregado familiar não podemos fazer nada". Ai é? "Pois é, tem que instaurar no MP um processo contra ele, que levará muito tempo e precisa de testemunhas." LOL. E as testemunhas? Olha Joanas e Sónias e vacas destas, que vêm comentam pelas costas mas que se pedirmos para testemunhar que de facto o vêm sempre feito cão negam-se "Não é nada comigo vizinha peço desculpa."

Bem, desculpem lá o desabafo, que deve estar bastante confuso e com bastantes erros ortográficos, mas eu nem quero saber, fiquei apenas danada com aquelas vacas ponto e com este assunto no geral. Pin It Now!

7 comentários:

  1. Neste tipo de temáticas até parece que somos a mesma pessoa! É que é tal e qual! Eu passo-me dos carretos quando leio essas merdas de que a mulher só está na relação e só apanha porque quer e bla bla bla. Só me dá vontade (como tu também referiste) de as apanhar sem estar à espera e lhes partir os dentinhos todos e no final ainda digo: então? Não respondes? Só estás a apanhar porque queres!!!!

    Por isso é que estas lutar pela igualdade e por um mundo sem violência não chegam a lado nenhum por causa de putedo como este que vê e não faz nada, que em vez de ajudar a vítima ainda a culpa! Haviam de ser elas a apanhar forte e feio, a ter a vida num inferno, a não poderem sequer sair de casa porque a besta do marido/namorado morre de ciúmes só de a ver sair à rua e eu depois queria ver como é que era! Cabras! É por estas gajas que as coisas não mudam porque em vez de darem o exemplo não!

    ResponderEliminar
  2. Bem, isto é chocante! Assim se vê como é que o nosso país fecha os olhos a muitas questões de extrema importância, é triste, muito triste.

    ResponderEliminar
  3. Tens toda a razão,muitas vezes as pessoas falam e falam mas não sabem do que estão a falar,só sabe quem passa por isso,direta ou indirectamente como tu disseste

    ResponderEliminar
  4. Agora também fiquei danada! Há pessoas tão ignorantes que até mete dó. Elas falam como se as coisas fossem assim tão triviais, só provam o quão estúpidas elas são. Mas o mais triste é que pessoas como essas não faltam por aí.

    ResponderEliminar
  5. Não faltam por aí gente dessa acredita, aqui no trabalho há quem diga que "elas gostam". A sério, há pessoas que só quando sentirem na pele, saberão o que é.

    ResponderEliminar
  6. A violência doméstica acontece porque a vítima é frágil, física e/ou psicologicamente. Por essa mesma razão é que o agressor actua dessa forma cruel e violenta, quer por gestos, que por palavras: se a outra pessoa fosse forte, nunca conseguiria sobrepor-se-lhe. Muitas vezes, a dependência psicológica que a vítima tem é um grande problema: não consegue perceber que é vítima, ou não consegue fugir porque achas que precisa do agressor. Algumas, desenvolvem um género de síndrome de Estocolmo. Outras, acreditam que merecem. É um assunto muito delicado... mas nenhuma fica porque gosta da pancada. Minhas queridas, esqueçam essa palermice das 50 sombras de grey. Viver com violência, ainda que psicológica dentro de casa, é coisa que não desejo a ninguém, porque o senti na pele durante anos (e ainda sinto).
    Quando à polícia, acredito que alguns desses "senhores fardados" (não todos, felizmente), não conhecem a realidade que se lhes apresenta em forma de lágrimas e nódoas negras. Uma amiga tentou fazer uma denúncia em relação a um terceiro que era vítima e quase foi escorraçada da esquadra. Eles são obrigados a comunicar ao MP a notícia do crime, porque a violência doméstica é crime público por alguma razão. A desculpa do não pertencer ao agregado familiar é nova, mas inclassificável. E se é preciso provar o crime, não é algo que lhes diga respeito! Eles deviam estar preocupados era em saber fazer o trabalho deles, mas pelos vistos, nem isso. Enfim... que tristeza de país.
    ****

    ResponderEliminar
  7. Eu nem quero acreditar no que vejo! 57 mil pessoas assinam a petição pelo cão, e só 21 assinaram a de apoio às vitimas de violência doméstica?? Inacreditável! E estupidamente ridículo. Quanto a esses comentários, é triste partirem de mulheres..

    ResponderEliminar